segunda-feira, 5 de maio de 2008

Porto Alegre


Galetos e galeterias são comuns por lá. Estes estavam divinos.

Mas que passeadeira! É Slow Food ou fast-farra? me perguntou Nina Horta. Quem vê até pensa que sou a maior viajandona. Não sou. Morro de medo de avião, não sei fazer mala e quase nunca tenho grana suficiente para ir aonde quero. Mas não podia perder a última grande promoção da Varig e por isto viajei com a família pra Manaus, no penúltimo feriado, e pra Porto Alegre, neste de primeiro de maio. Bem na seqüência, pra poder sentir a tinta molhada de Porto Alegre nos dedos de uma mão, estando os da outra ainda marcados com a impressão de Manaus. Fast-farra de norte a sul.
Já conhecia vários pontos turísticos do Rio Grande do Sul, por onde já viajamos de carro algumas vezes, mas nunca estive antes em Porto Alegre. Está certo que tive uma vista privilegiada, mas até onde enxerguei é uma cidade elegante, limpa e organizada. O clima frio e a chuva constante deram à cidade um ar europeu (bem, teve até ciclone), com verdes parques abertos molhados e ainda assim freqüentados por adultos e crianças. Deu uma certa raiva dos parques de São Paulo, fechados, inibitórios, inseguros.
Falarei aos poucos das comidinhas que encontrei no Mercado Municipal, todo reformado, com bancas limpas, bem arrumadas. E também da feirinha orgânica. Mas antes quero contar dos nossos anfitriões. Conheci Mariângela aqui no blog. Começou comentando, contribuindo, desde o início. E viramos amigas. Tanto, que não hesitei em aceitar o convite para que ficássemos em sua casa em vez de no hotel. Sempre que posso, evito o papel de turista expectador e tento imergir na cultura do lugar, ainda que por pouco tempo. Prefiro saber o que se come nas casas que nos restaurantes turísticos; quero saber o que se vende nas padarias, nas feiras, nos mercados. Alugar um apart hotel e sair todos os dias para as compras do jantar é algo que me traz aquele sentimento de fazer-parte.
Por isso e por saber exatamente como era a família da Mariângela, aceitei o convite sem nenhuma dúvida sobre o que viria. De vez em quando ligava uma amiga dela para saber se estavam vivos depois de receber um povo que conheceu pela internet. Sabem, né, estes encontros mediados pela internet podem acabar em tragédias....

Ao contrário disto, o encontro terminou numa amizade ainda maior das duas famílias e muita saudade dos momentos mágicos que vivemos lá. Para começar, fomos recebidos por um prato típico dos gaúchos, feito pela Mariângela, o Cozido da Fronteira, à base de charque e mandioca. Tudo servido e comido na linda cerâmica feita pelo Rui Gassen, o marido. Rui é um ceramista que estudou na Alemanha e sabe a técnica como ninguém. Aliás, é um ceramista Slow (será que existe?), pois extrai e prepara sua própria argila, formula os próprios esmaltes e torneia e modela as peças uma a uma (aqui em São Paulo, peças dele podem ser encontradas na Loja do Chá.
Os passeios que fizemos foram ótimos (vimos o quarto do Mário Quintana, fomos ao Museu de ciências e tecnologia da PUC; ao bairro Moinhos de Vento; andar na praia do Rio Guaíba; ao restaurante comer churrasco gaúcho etc), mas os programas mais fascinantes foram o que fizemos na casa deles como comer o dourado pescado na fronteira pelo Rui e seu irmão; estrear o moedor de pedras que Mariângela comprou na Alemanha – trituramos trigo para fazer chapati; comer galeto assado pedido por telefone; improvisar uma noite de waffeln ao redor do fogão de lenha no quintal, usando o Waffelpfanne da bisa do Rui ou passar a noite de sábado em casa, vendo livros, ouvindo música e se divertindo com as tiradas inteligentes e bem-humoradas da filha linda e tímida, a menina Laura. Mas, vamos falando aos poucos, como deve ser. Algumas fotos que serão esmiuçadas ao longo da semana:


O Mercado Municipal de Porto Alegre: organizado e limpo


O fogãozinho onde fizemos waffeln (com receita alemã da bisa do Rui - merece um post único, aguardem). Ananda e Guilherme esperando.


Marcos e Mariangela pela manhã: um ciclone passou na nossa rua. Enquanto dormíamos profundamente depois de uma noite agradável.


Quindim de nozes e outros docinhos portugueses no café do mercado.


Apetrechos de índios, no Museu de Ciências e Tecnologia da PUC-RS


Banca de frutas e hortaliças no Mercado Municipal de Porto Alegre


A estadia deu direito ainda a oficina com o conceituado ceramista Rui Gassen. No torno, Guilherme, o namorado da Ananda, e Marcos, o meu.


Canecas by Rui Gassen


Matambre recheado: prato típico de gaúcho


Banca de chimarrão no Mercado Municipal


Rui, Mariangela e Laura: mais que amigos

Escorredor em casa de ceramistas: antes de dormir, lavávamos a louça.

9 comentários:

Vivian disse...

uau!! vc desbravou Porto Alegre. Guria, essa cidade é demais, é culta, é linda, é sofisticada, é agradavel, é... td de bom rs!!
Amei todas as fotos e todos os passeios que vc fez.

Ivana Arruda Leite disse...

Eu adoro as galeterias de Porto Alegre. Não sei porque essa moda não pegou aqui. Lá tem uma em cada esquina. Tô adorando as viagens. Beijos

carlinhos de lima disse...

Você é uma felizarda...
Felizarda poprque esteve com eles. Conheço a Mari do blog da Roberta. Gostamos de pão e eles traduziram algumas receitas para mim de um livro alemão que eles têm.

Depois por ires a portinho. Como aprendi a gostar daquela cidade nos anos em que ia lá a trabalho. É a única cidade fora do Rio na qual eu me virava com transporte urbano. E não voltava sem encher uma mala com coisa do Mercado Municipal.
Ficava hospedado ali pertinho pra poder faciliar minha vida.
Saudades...

Lílian disse...

Que delícia de passeio! Antes de ler o post, pensei: Putz, mas esta mulher só viaja (que inveja boa)...
Saudades de Porto Alegre! Trabalhei muito lá, em bate-voltas (mesmo dia) ultra-cansativos... e lendo suas histórias, me arrependi de não ter esticado os finais de semana. Mas sempre é tempo de aproveitar as promoções! : )

Goreti disse...

Que felicidade...é sempre bom avançar fronteiras, seja em divisas ou em novas amizades...

Beijos!!!

fezoca disse...

Neide, que delicia de encontro! Adorei conhecer a Mariangela e desfiz a imagem que tinha dela, muito diferente da realidade. beijo! :-)

athos naddeo disse...

Êêêêêta trem doido sô!!!!!
Muito obrigado por ser uma pessoa tão carinhosa com a comida!!!
Me lembrou comidas de minha infância...Que prazer!!!!!
Parabéns pelo conteúdo!!!!
Não gosto de internet mas... hj encontrei algo realmente delicioso de ler.
Novamente parabéns!!!

dulce disse...

olá, somos amigs de Rui e Mariangela e gostariamos de fazer contato com eles.Dulce e Helio Brito de Minas...

Neide Rigo disse...

Oi, Dulce! Eles ficaram felizes quando contei. Por favor, me escreva no neide.rigo@gmail.com que eu lhe passo email e telefone deles.